Documentário sobre Luis Fernando Verissimo volta às telas do RS em sessões na Capital e no interior

Filme sobre o escritor na chegada de seus 80 anos terá sessão comentada na Cinemateca Capitólio, em Porto Alegre

0
Cena do documentário Verissimo - Foto: Divulgação

Brasil de Fato – A retomada gradual das atividades culturais no RS traz de volta às telas o aclamado longa Verissimo, de Angelo Defanti. Lançada originalmente no início de maio, a produção teve sua carreira comercial interrompida por conta das inundações que atingiram o estado. Agora documentário retorna para o público gaúcho da Capital e interior, que poderá acompanhar a rotina escritor na tela grande, com sessões comentadas, promoções e atividades voltadas à comunidade.

Com destaque hoje, terça-feira (9), às 19h30, acontece a primeira sessão comentada do filme no RS com a presença do diretor Angelo Defanti, Fernanda Verissimo e Jorge Furtado, na Cinemateca Capitólio. Antes, o Cine Globo de Santa Rosa exibe o longa durante a Feira do Livro da cidade, a partir de hoje, até o dia 9 de julho.

Documentário registra a vida do reservado Verissimo

Às vésperas de completar 80 anos, em setembro de 2016, o escritor gaúcho Luis Fernando Verissimo se tornou o centro do documentário Verissimo. O longa, que teve sua primeira exibição ao público na Mostra Competitiva de Longas Brasileiros no Festival É Tudo Verdade, agora estreia em todo o país. O filme é produzido pela Sobretudo Produção, Lacuna Filmes e Canal Brasil, e a distribuição é da Boulevard Filmes em codistribuição com  a Vitrine Filmes e Spcine.

O universo de Verissimo não é novidade para Defanti que, em 2022, lançou a ficção” O Clube Dos Anjos”, baseado no livro homônimo do escritor, além dos curtas “Feijoada Completa” (2012) e “Maridos, Amantes e Pisantes” (2008), ambos a partir de contos do gaúcho.

Com o documentário, Defanti mergulha não apenas na obra literária, mas na figura de Verissimo, que é um escritor bastante reservado, mas deixou que a câmera o acompanhasse durante 15 dias enquanto se aproximava de seu 80º aniversário.

“Durante o mês de filmagens, fui rigorosamente todos os dias na casa. Para manter essa constância, compreendi logo que seria importante criar variações nos horários e nas atividades que registrava. Os 90 minutos do filme são fruto de análise de quase 100 horas totais de material. A proposta inicial era ter os últimos 15 dias de 79 anos de um homem e os primeiros 15 de 80. Na montagem, vimos que o dia do aniversário em si era o inevitável clímax da história – guardadas as devidas proporções que um sujeito pacato consegue viver de clímax”, explica Defanti.

O diretor conta que conheceu Verissimo ainda quando era universitário, e foi pedir os direitos de um conto para fazer seu curta “Maridos, Amantes e Pisantes”. “Chegou a mim a notícia de que o Verissimo tinha gostado do curta. Foi a senha para procurá-lo a respeito de um dos grandes livros da minha formação e que poderia ser transformado no meu primeiro longa de ficção. Se eu era universitário antes, continuava universitário nessa ocasião, Verissimo muito imprudentemente me concedeu essa honra. Ao longo dos anos necessários para levantar o projeto, o destino acabou me levando muitas vezes a Porto Alegre. Não apenas ele, mas toda a família e a casa, outro personagem vital, me receberam algumas dezenas de vezes.”

Defanti descreve Verissimo como “um senhor de movimentos lentos, introvertido, não muito fã de socialização, com leve pendor ao sedentarismo”, e cuja atividade mais corriqueira era ficar escrevendo no computador. “Ele é quase um anti-personagem. O desafio era transformar a inação em algo luminoso. A estratégia foi oscilar entre uma observação muito próxima com uma investigação ampliada ao seu arredor. É um filme calmo e tranquilo, como o sujeito que examina, mas nutrido constantemente pela ideia de que uma pessoa é resultado de seu ambiente tanto quanto influencia nele. E a família Verissimo é um ambiente adorável.”

O cineasta também explica que tentou se manter o mais discreto possível na casa dos Verissimo, com uma equipe pequena composta por ele mesmo, e, eventualmente, uma outra pessoa. “Demorou muito pouco até a câmera e eu deixarmos de ser novidade e virarmos parte da paisagem da casa, como um abajur ou uma cor de parede. Estar no café da manhã um dia e no jantar no outro concedeu variação ao material, mas também baixou as guardas da família. Quando eu estava presente ou ausente, era mais ou menos a mesma coisa. Ainda que a relação tenha sido amistosa o tempo inteiro, tenho certeza que ficaram aliviados quando aquele mês chegou ao fim.”

Defanti aponta que o filme apresenta um lado de Verissimo pouco conhecido, mesmo para quem é fã de sua obra. O escritor é tímido, enquanto sua mulher, Lucia, é mais extrovertida. “O Verissimo encabulado de uma entrevista sendo tão ou mais retraído na vida eleva a observação do público a um outro patamar. Pois, se ele tem a obra irreverente da forma como todos conhecem e seus modos discrepam tanto dela, é natural buscar entrever a riqueza interior que certamente ocorre em sua mente. A persona pública e a persona íntima podem incrementar a visão sobre o autor e sua criatividade.”

Sinopse

Um documentário observa Luis Fernando Verissimo enquanto Luis Fernando Verissimo observa o mundo ao seu redor se ouriçar com a chegada dos seus 80 anos.

Edição: Marcelo Ferreira

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui