Audiência Pública debate criação de Campus do Instituto Federal Farroupilha em Tenente Portela

0
107
Fotos: Júlio Santos, Paulo Farias e Elisandro Coelho

Na sexta-feira, 8, no Centro Municipal de Cultura de Tenente Portela, ocorreu Audiência Pública promovida pela Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, para discutir a possibilidade de criação de um campus pluriétnico do Instituto Federal Farroupilha no município, que ofereça cursos de educação profissional e tecnológica para as culturas tradicionais indígenas. O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha (IFFar), é uma instituição de ensino pública que tem como objetivo promover a educação profissional, científica e tecnológica, pública e gratuita, por meio do ensino, pesquisa e extensão.

Hoje são 38 Institutos Federais estabelecidos no país, dos quais 3 estão localizados no Rio Grande do Sul,  sendo eles, o Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS); o Instituto Federal Sul-riograndense (IFSUL) e o Instituto Federal Farroupilha (IFFar). Atualmente o Instituto Federal Farroupilha é composto pela Reitoria, cuja sede administrativa é situada em Santa Maria, 11 campi e 2 centros de referência sendo Campus São Vicente do Sul, Campus Alegrete, Campus Santo Augusto, Campus Júlio de Castilhos, Campus Jaguari, Campus Santa Rosa, Campus São Borja, Campus Panambi, Campus Frederico Westphalen, Campus Santo  Ângelo, Campus Avançado Uruguaiana, Centro de Referência de Santiago, Centro de Referência de São Gabriel e demais polos de educação a distância.

Entre as possibilidades de atuação do IFFar pode-se chegar até 227 cursos organizados em 12 eixos tecnológicos: Ambiente e Saúde; Controle e Processos Industriais; Desenvolvimento Educacional e Social; Gestão e Negócios; Informação e Comunicação; Infraestrutura; Produção Alimentícia; Produção Industrial; Recursos Naturais; Turismo, Hospitalidade e Lazer; Produção Cultural e Design e Segurança.  São cursos integrados ao ensino médio; cursos técnicos subsequentes (formação técnica para quem já concluiu o ensino médio); cursos superiores de bacharelado, tecnologia e licenciaturas; educação de jovens e adultos integrada à Educação Profissional e Tecnológica (EJA-EPT); cursos de capacitação, qualifi cação, formação e aperfeiçoamento profissional (FIC) para pessoas que não tem ensino fundamental ou ensino médio completo, além de cursos de Pós-graduação como especializações e mestrados profissionais.

A proposta de criação de um Campus voltado às culturas tradicionais e comunidades indígenas  em Tenente Portela, está inserida na atual política do governo federal em expandir as unidades de Institutos Federais em todo o país. A ideia é que, em dezembro de 2023, mês em que os Institutos Federais completarão 15 anos desde sua criação, o Governo Federal anuncie a criação de 320 novas unidades. O número de campi de IFs existentes passaria dos atuais 680 para 1000. Nesse movimento de expansão o IFFar espera criar mais 6 campus, chegando a 15 unidades. As audiências são promovidas pela Comissão de Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia da ALRS.

De acordo com o deputado estadual Jeferson Fernandes, que representou a Comissão e a ALRS na audiência Pública, a realização de uma audiência pública é o primeiro passo para a possível instalação de uma nova unidade do IFFar nos municípios.

Deputado estadual Jeferson Fernandes

A reitora do IFFar, professora Nídia Heringer, explicou que não é a gestão da instituição que cria novos campus. “Para pensar em novas unidades, adotamos como metodologia termos a presença da Comissão de Educação da ALRS e a realização desses momentos iniciais para que as pessoas possam entender o que é o IFFar”, explicou a reitora.

Reitora do IFFar, professora Nídia Heringer

A criação de novas unidades parte, portanto, do interesse das comunidades locais. A instalação de um novo campus é, no entanto, decisão do Governo Federal. A partir dessa criação, são definidos cursos e eixos tecnológicos a partir das necessidades da localidade onde a unidade vai ser instalada.

Essas demandas são definidas pela própria comunidade local. Ceder um local para a instalação de um campus é uma das contrapartidas necessárias de serem realizadas pelas prefeituras que desejam sediar uma unidade de um Instituto Federal. Além de explicar os trâmites necessários para a instalação de novas unidades, Nídia Heringer também apresentou informações sobre a instituição, através de um vídeo institucional e da apresentação de dados sobre o IFFar e sobre a Rede Federal de Educação Profi ssional e Tecnológica, da qual os IFs fazem parte.

Como resultado da Audiência deverá ser formalizada pelo município ao IFFar a intenção de receber um Campus do Instituto Federal Farroupilha e a constituição de Comitê Interinstitucional de Mobilização em defesa da Implantação de campus IFFar em Tenente Portela, com representantes do IFFar, da prefeitura municipal, da comunidade local e da sociedade civil organizada, que irá  iniciar a elaboração do Plano de Trabalho a partir da criação de subcomissões que vão discutir questões mais específicas, envolvendo educação, empregabilidade e articulação política.

Participações – Diversas autoridades participaram da Audiência Pública. Entre elas, estiveram: Nídia Heringer, reitora do IFFar; o deputado estadual Jeferson Fernandes; os prefeitos de Tenente Portela, Rosemar Sala,  de Barra do Guarita, Rodrigo Locatelli Tisott, presidente da Rota do Yucumã,  de Redentora, Malberk  Dullius, e de São Valério do Sul, Idílio José Speroni; o vereador portelense Eduardo Ferrari;  a coordenadora regional da Funai, Maria Inês de Freitas; a secretária de Educação de Tenente Portela, Gicelda Bergheti Denes; a presidente do Hospital Santo Antônio, Mirna Braucks; a delegada regional de polícia, Cristiane de Moura e Silva Braucks; a indígena Brasília de Freitas, representado a Coletiva de Mulheres Indígenas; e Cleonice Bach, representante do senador Paulo Paim. Também estavam presentes os caciques da Terra Indígena Guarita Joel Ribeiro de Freitas, da etnia kaingang, e Sandro da Silva, da etnia mbiá-guarani da Aldeia Gengibre, município de Erval Seco; Daniela Franciela Sales, do Conselho de Educação Escolar Indígena; Beatriz Emílio, do GT Guarita pela Vida; e Gilmar Claudino, coordenador do Sesai do Polo Guarita.

Jeferson Fernandes, cacique mbiá-guarani, prefeito Sala, reitora do IFFar, secretária Municipal de Educação e cacique kaingang

Folha Popular – Com informações da Assessoria de Comunicação do IFFar. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui